Twitter Facebook YouTube Instagram Conexão Sindical

CUT NACIONAL > LISTAR NOTÍCIAS > ACONTECE > MOVIMENTO SINDICAL REALIZA ATO EM PERNAMBUCO SOBRE OS 50 ANOS DO GOLPE MILITAR NO BRASIL

Movimento sindical realiza ato em Pernambuco sobre os 50 anos do golpe militar no Brasil

25/08/2014

Representantes de várias categorias contribuíram com depoimentos e relatos sobre o período de intervenções, perseguições e o processo de reconquista dos sindicatos pelos trabalhadores

Escrito por: Fabiana Coelho e Wellington Correia - Sindicato dos Bancários de Pernambuco

O Sindicato dos Bancários sediou na sexta, 22, o ato unificado do movimento sindical para discutir sobre os 50 anos do golpe militar no Brasil. Representantes de várias categorias enriqueceram o debate com depoimentos e relatos sobre o período de intervenções e perseguições e sobre o processo de reconquista dos sindicatos pelos trabalhadores.

Rosa Cardoso integra o Grupo de Trabalho “Ditadura e repressão aos trabalhadores e ao movimento sindical”, da Comissão Nacional da Verdade. Ela tem viajado pelas várias regiões do país para recolher testemunhos, depoimentos e relatos, que farão parte do relatório, a ser entregue no dia 10 de dezembro. “A ideia é reconstituir a história das violências e a herança amarga deixada para os trabalhadores. Compreender esta história para que ela não se repita é uma tarefa muito importante”, afirma.

Quem iniciou as falas do ato, nesta sexta, foi Délio Mendes, que atualmente é candidato a vice-governador pelo PCB. Ele lembrou os tempos de militância e os companheiros presos, mortos ou desaparecidos.

“Discutimos com representantes de várias categorias sobre o processo de reconquista dos sindicatos. Alumas entidades, mesmo depois da ditadura, permaneceram nas mãos dos interventores, como é o caso do Sindicato dos Bancários de Pernambuco”, conta o diretor do Sindicato e da CUT Nacional, Expedito Solaney.

Luci Machado e José Semente, por exemplo, relataram o processo de fundação da Apenope (Associação de Professores do Ensino Oficial de Pernambuco), que mais tarde se tornaria o Sintepe (Sindicato dos Trabalhadores em Educação). Lembraram ainda o processo de mobilização do final da década de 70, com greves que duraram 36 dias.

Os bancários, funcionários dos Correios e trabalhadores rurais trouxeram outras contribuições para enriquecer a história. Zezinho, que participou da criação de vários sindicatos rurais do estado, lembrou o processo de organização nas Ligas Camponesas.

Mauro Lapa, dos Correios, lembrou que a sede da empresa, em Pernambuco, abrigava, em tempos de ditadura, um núcleo do SNI, o Serviço Nacional de Informações criado pelos militares para supervisionar e coordenar as atividades de informações e contrainformações no Brasil.

“Havia, ainda, todo um processo de censura às correspondências. Convivíamos diretamente com pessoas ligadas à repressão”, diz. Segundo ele, até hoje os Correios são a empresa estatal que mais tem militares em seus quadros. “Isso dificulta o processo de organização, tanto que os Correios é a estatal que mais demite trabalhadores por conta de greves”.

Para o secretário de Formação do Sindicato, João Rufino, este espaço de compartilhamento de histórias e depoimentos é fundamental. “Os relatos mostram que os trabalhadores - mesmo com a perseguição, censura e assassinatos – nunca desistiram da luta”, diz.

Durante a atividade, foram exibidos vídeos com depoimentos de dirigentes históricos, muitos deles mortos ou desaparecidos, a exemplo de Hiram Pereira, jornalista, ator e poeta, desaparecido político.

O depoimento de Reginaldo Veloso foi outro momento rico da atividade desta sexta, ao recuperar as relações da Igreja Católica com os movimentos de resistência à ditadura, a exemplo da Ação Católica Operária.

Para o presidente da Comissão Estadual da Verdade Dom Hélder Câmara, Fernando Coelho, a atividade ajuda a subsidiar os trabalhos das comissões estadual e nacional. “É um momento para rever, reviver e relembrar muita coisa que ocorreu e que precisa ser documentada para que a sociedade inteira conheça e não esqueça jamais”, diz.

O ato foi encerrado, com muita emoção, ao som da música “Pra não dizer que não falei de flores”, de Geraldo Vandré. Tocada por Ednalda Lourenço, a canção foi entoada a várias vozes, por todos os que estavam presentes no auditório do Sindicato.

>> Veja a galeria de fotos do evento

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • Orkut
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

TV CUT
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.

João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta(...)

RÁDIO CUT

Copyright © CUT Central Única dos Trabalhadores | 3.820 - Entidades Filiadas | 7.890.353 - Sócios | 24.062.754 - Representados
Rua Caetano Pinto nº 575 CEP 03041-000 Brás, São Paulo SP | Telefone (0xx11) 2108 9200 - Fax (0xx11) 2108 9310